Saber moderno, saber nativo:
por histórias antropofágicas da Psicologia

Submissão de trabalhos até 15 de maio de 2022 

clio.png
psyche.png

EVENTO PRESENCIAL

UERJ - Rua São Francisco Xavier, 524.
Maracanã, Rio de Janeiro - Brasil.
24 a 27 de agosto de 2022
 

O Encontro

Apresentação
24-27 ago 2022
xv_clio_psyche_cartaz_v3.1.jpg

Este ano, o Encontro Clio-Psyché, em sua 15ª edição, planeja e anseia pelo retorno à presencialidade dos encontros e trocas que sempre primamos manter em nossos eventos. Após a realização da última edição em 2020, de modo remoto, o que exigiu de nós um grande esforço de aprendizagem e adaptação, voltar ao formato outrora conhecido em meio à era do famigerado “novo normal” também guarda seus desafios, os quais queremos enfrentar com tenacidade.

Neste desafio, novamente temos o prazer de contar com a Sociedade Brasileira de História da Psicologia na coorganização do XV Encontro Clio-Psyché com o VI Congresso Brasileiro de História da Psicologia na UERJ (Rio de Janeiro), no período de 24 a 27 de agosto de 2022. Nossos participantes habituais hão de perceber a alteração do mês, em relação ao usual. Nosso Encontro ocorrerá em agosto a fim de proporcionar também uma comemoração reflexiva da efeméride dos 60 anos da regulamentação da profissão de psicólogo no Brasil. Certamente, este será um ano de muitas celebrações deste feito e a comunidade de pesquisadores em História da Psicologia não poderia, em absoluto, se furtar a contribuir com sua expertise para uma avaliação crítica e historicamente fundamentada dos significados envolvidos neste processo e nos esforços narrativos de sua memória e celebração.

No Brasil, 2022 carrega também grandes comemorações como o bicentenário do Grito do Ipiranga e o centenário da Semana de Arte Moderna (São Paulo, 1922). Especificamente, este último fato nos inspirou na construção do tema do Clio XV: “Saber moderno, saber nativo: por histórias antropofágicas da Psicologia”. Se comumente se aponta a Psicologia enquanto um produto e desdobramento da Modernidade europeia e suas apropriações, interessa-nos especificamente refletir historiograficamente sobre que marcas tais modernidades e processos de modernização (bem como as resistências a eles) fizeram incidir na trajetória histórica dos saberes e práticas psi. Especialmente, quais relações teóricas e metodológicas podem ser estabelecidas entre a antropofagia (a incorporação do outro para produção de algo novo) e os conceitos de circulação, apropriação e histórias locais, tão caros ao nosso fazer historiográfico desde nossos contextos de periferia no Sul global.

Palestrantes (em breve)

Conheça os pesquisadores que participarão do XV Encontro Clio-Psyché.
 

Realização

Apoio